sábado, fevereiro 3Notícias que importam
Shadow

BNDES Azul impulsiona o desenvolvimento econômico do Brasil através da “economia azul”

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje o lançamento do programa BNDES Azul a bordo do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico “Vital de Oliveira”, da Marinha do Brasil. Este novo pacote de investimentos visa impulsionar o desenvolvimento da chamada “economia azul”, focando em pesquisas na costa brasileira, fortalecimento da indústria naval e incentivo à descarbonização da frota marítima.

Durante o evento, o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, assinou o contrato do Planejamento Espacial Marinho (PEM) para a região Sul, marcando um avanço significativo no projeto-piloto de planejamento espacial marinho no Brasil. O edital do PEM para a região Sudeste também foi lançado, juntamente com anúncios relacionados à infraestrutura e indústria naval.

Em sua fala, Mercadante destacou a importância histórica da indústria naval no Brasil e ressaltou a necessidade de reviver esse setor. “Nós já tivemos uma indústria pujante de construção naval nos anos 70. Como é que um país que é um dos três países do mundo que constrói e certifica avião, não vai fazer navios? Nós precisamos fazer navios. A Marinha do Brasil é vanguarda nesse processo, usando toda a inteligência demonstrada desde o Almirante Álvaro Alberto. Nós temos que avançar e espero que hoje seja mais uma contribuição para a gente juntar o BNDES Azul com o BNDES Verde, os oceanos com a sustentabilidade ambiental e climática.”

O BNDES Azul é resultado de um protocolo de intenções assinado pelo presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, e o Ministro da Defesa, José Mucio Monteiro, em outubro do ano passado. Segundo o Comandante de Operações Navais e Diretor-Geral de Navegação, Almirante de Esquadra Wladmilson Borges de Aguiar, presente no evento, o programa busca fomentar o uso sustentável do ambiente marinho, proporcionando crescimento econômico, geração de empregos e divisas, ao mesmo tempo em que assegura a necessária segurança jurídica para os investidores e para o Estado brasileiro.

“Em um setor diversificado e interconectado como o marítimo, é essencial um arcabouço legal sólido para garantir a ordem e a proteção dos serviços. Nesse sentido, o Planejamento Espacial Marinho (PEM) abordará todas essas questões, conciliando os interesses dos diversos atores envolvidos”, destacou o Almirante de Esquadra Aguiar.

blank

A Economia Azul e a Importância Estratégica

A Economia Azul, também conhecida como economia do mar, é vital para o Brasil, que possui sob sua jurisdição a chamada Amazônia Azul, uma área oceânica com cerca de 5,7 milhões de km². Essa região é crucial para a economia nacional, abrangendo desde a superfície do mar até o limite exterior da Plataforma Continental brasileira.

A Amazônia Azul oferece uma diversidade de recursos naturais, incluindo pescados, riquezas minerais e energéticas, como fosfato, hidratos de gás e petróleo. Mais de 95% do comércio exterior brasileiro é realizado por via marítima, e a região contribui significativamente para a produção nacional, sendo responsável por cerca de 95% do petróleo, 80% do gás natural e 45% do pescado.

Além disso, o oceano contribui com aproximadamente 19% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, com 2,6% originados de atividades diretas ligadas ao mar e 16,4% de atividades indiretamente relacionadas. Estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indicam um crescimento anual de 3,5% para as indústrias globais baseadas nos oceanos até 2030, com a perspectiva de gerar milhões de empregos.

O BNDES Azul representa um passo significativo na promoção do desenvolvimento sustentável da economia azul brasileira, alinhando-se aos esforços globais de preservação ambiental e crescimento econômico responsável. O programa visa não apenas fortalecer a indústria naval e impulsionar a pesquisa na costa brasileira, mas também garantir a exploração responsável dos recursos marinhos, contribuindo para a prosperidade econômica do país.

 

com informações da Marinha do Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *