segunda-feira, maio 27Notícias que importam
Shadow

Painel do Fogo: ferramenta brasileira auxilia países amazônicos no combate a incêndio florestais

O Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM), órgão do Ministério da Defesa, expandiu a capacidade de utilização da ferramenta “Painel do Fogo” para todos os países Amazônicos. A novidade foi apresentada durante o 3° Seminário “Painel do Fogo”, realizado nesta quarta-feira (19), com a presença do Ministro da Defesa, José Mucio Monteiro Filho, em Brasília. A ferramenta “Painel do Fogo”, que já auxilia equipes especializadas na detecção e combate a incêndios florestais no Brasil, agora, abrange também os países da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA); composta pela Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

blank

Segundo o Ministro da Defesa, a assertividade e a praticidade da ferramenta foi o motivo que gerou um acordo técnico com a OTCA, “Tudo isso é o resultado de uma busca constante por um serviço de monitoramento cada vez mais ágil, implementado por meio de uma ferramenta pública, aberta, capaz de demonstrar, a situação dos incêndios em tempo quase real, fazendo o acompanhamento dos eventos de fogo aos longo dos dias e relacionando sua prioridade de combate.”; disse.

O Painel do Fogo permite, em tempo próximo ao real, o monitoramento de focos de fogo isolados até os incêndios, a partir da identificação do agrupamento e da evolução dos focos de calor. O sistema une informações geoespaciais, de imagens de satélites e dados de um indicador de nível de severidade. E pode ser utilizada gratuitamente através do site: Panorama – Mapas Interativos (sipam.gov.br)

blank

Seminário – Promovido até esta quinta-feira (20), o evento reforça o apoio da Defesa aos órgãos relacionados ao combate do fogo para o enfrentamento ao período de queimadas previstas para este ano. A programação do evento inclui o lançamento das atualizações e novos produtos disponíveis na versão 2023 do Painel do Fogo; discussão e capacitação sobre o uso operacional da ferramenta; e debates com a comunidade científica sobre as pesquisas realizadas e em andamento.

Por Rayane Bueno

Fonte Ministério da Defesa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *