terça-feira, junho 4Notícias que importam
Shadow

Índia emerge como potencial fornecedor de sistema de defesa aérea ao Brasil

Após a forte presença indiana na maior feira de defesa da América Latina, a LAAD 2023, ocorrida durante o mês de abril deste ano, onde oficiais generais do Exército Brasileiro e Marinha do Brasil, puderam conhecer um pouco sobre os sistemas avançados de defesa aérea desenvolvidos pela indústria de defesa indiana.

Durante esta ocasião, nosso editor teve a oportunidade de conversar com um dos representantes do governo indiano, o Sr. Achal Malhotra, que nos apresentou um pouco sobre o portfólio indiano exposto na LAAD 2023, o que nos levou ao primeiro contato com AKASH, um sistema de mísseis superfície-ar de curto alcance, desenvolvido pelo DRDO e produzido pela Bharat Dynamics Limited (BDL), que contava com um mock-up do míssil exposto no stand.

blank

O AKASH, assim como o sistema BRAHMOS, que será apresentado em outra matéria especial sobre defesa de costa, despertaram o interesse dos militares brasileiros presentes na LAAD 2023, com o AKASH emergindo como uma interessante opção para dotar o Exército Brasileiro de um moderno sistema de defesa aérea de médio alcance.

Na última quinta-feira, 31 de agosto, o Comandante do Exército Brasileiro, General Tomas Miguel Miné Ribeiro Paiva, realizou uma visita estratégica às instalações da Bharat Electronics Ltd (BEL) em Bangalore, o que demonstra o interesse brasileiro no sistema de defesa aéreo indiano.

O Comandante do Exército Brasileiro, em sua primeira visita a Índia, observou uma impressionante demonstração de poder de fogo do Exército Indiano em Pokhran, no Rajastão. O exercício de armas combinadas foi realizado envolvendo várias unidades como veículos blindados, infantaria, artilharia, defesa aérea e meios de aviação no campo de tiro de Pokhran. Na ocasião, o Comandante do Exército demonstrou grande interesse na aquisição de armas e sistemas indianos.

O Brasil e a Índia possuem um grande potencial de negócios no campo de defesa, onde a Brasileira Embraer, tem se destacado como um forte candidato na disputa pelo contrato bilionário que visa a obtenção pela Índia de modernas aeronaves de transporte tático, nicho onde o KC-390 se destaca como a mais moderna e capaz aeronave do mercado.

Segundo fontes ouvidas pelo site Financial Express Online, o sistema de mísseis Akash, conhecido por seu desempenho excepcional está na vanguarda dos planos de aquisição do Exército Brasileiro.

O sistema de defesa aérea AKASH foi projetado para neutralizar ameaças em diversas altitudes e sob condições climáticas adversas, sendo integrado a um chassis que permite alta mobilidade e flexibilidade tática.

A colaboração entre as indianas Bharat Electronics Limited (BEL) e a Bharat Dynamics Limited (BDL) resultou na produção do sistema de mísseis Akash. O esforço conjunto entre estas duas gigantes da defesa indiana, pretende oferecer ao Brasil a melhor solução para defesa aérea.

AKASH é um sistema de mísseis superfície-ar de curto alcance para proteger áreas e pontos vulneráveis ​​​​de ataques aéreos. O Akash Weapon System (AWS) pode atacar simultaneamente vários alvos no modo de grupo ou no modo autônomo. Possui recursos integrados de contra-medidas eletrônicas (ECCM). Todo o sistema de armas foi configurado em plataformas móveis.

AKASH é um sistema de mísseis superfície-ar de curto alcance para proteger áreas e pontos vulneráveis ​​​​de ataques aéreos. O Akash Weapon System (AWS) pode atacar simultaneamente vários alvos no modo de grupo ou no modo autônomo. Possui recursos integrados de contra-medidas eletrônicas (ECCM). Todo o sistema de armas foi configurado em plataformas móveis.

blank

CARACTERÍSTICAS:

  • Faixa de operação: 4,5 km a 25 km
  • Altitude de Operação: 100 m até 20 km
  • Comprimento: 5,87m
  • Diâmetro: 35cm
  • Peso: 710kg
  • Alvos: helicópteros, aeronaves de combate, drones, mísseis de cruzeiro.
  • Totalmente automático com tempo de resposta rápido desde a detecção do alvo até a interceptação.
  • A arquitetura de sistema aberto garante adaptabilidade
  • Alta resistência contra interferências ativas e passivas.
  • Modo seguro de comunicação entre elementos de combate.
  • Autossuficiente em energia elétrica com fontes de energia integradas.
  • Transportável por via rodoviária e ferroviária com rápida mobilização e capacidade de implantação.
  • Recursos de segurança integrados com IFF.

 

Interesse em sistemas de artilharia

Contudo, os interesses brasileiros não se limitam ao sistema de mísseis Akash, com  fontes apontando o interesse na aquisição de sistemas de artilharia autopropulsados de 155 mm. Duas empresas indianas, incluindo a Bharat, responderam à Solicitação de Propostas (RFP) publicado pelo EB. A solicitação formal de propostas para aquisição de um sistema de artilharia autopropelida sobre rodas de 155 mm, marca um passo significativo à medida que se busca a substituição de parte dos obuseiros M114A1 empregados pelo EB.

Assim como ocorreu no Programa VBC Cav, o objetivo do Programa VBCOAP 155mm SR, visa a obtenção de uma moderna viatura blindada de combate obuseiro autopropulsado de 155mm sobre roda, o qual pretende-se incialmente obter um lote piloto, destinado a avaliação de requisitos, composto por duas viaturas. Após a certificação dos requisitos, será dado prosseguimento na aquisição de um lote composto por 34 viaturas.

blank

Os requisitos para o VBCOAP 155mm SR são rigorosos, exigindo alta mobilidade, chassis robusto e capacidade de atingir alvos a até 40 quilômetros de distância. Dentre os fortes candidatos, estão o israelense ATMOS da Elbit Systems e o CAESAR da francesa Nexter.

Os interesses Brasileiros e Indianos

À medida que as duas nações que fazem parte do BRICS, tem se aproximado no setor de defesa, onde foram identificadas áreas de interesse, os quais podem resultar em uma ampla cooperação estratégica. Tal convergência de interesses, pode beneficiar a brasileira Embraer, que visa fornecer o KC-390 à Força Aérea Indiana, bem como resultar na obtenção de novas tecnologias, como é o caso do sistema de defesa aérea de média altitude.

Por Angelo Nicolaci

com informações do Governo Indiano e site Financial Express Online

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *