terça-feira, junho 4Notícias que importam
Shadow

Brasil reafirma compromisso com desarmamento e não proliferação de armas químicas

O Brasil reafirmou no dia 4 de julho, o compromisso com o desarmamento e a não proliferação de armas químicas durante a 24ª Reunião Regional de Autoridades Nacionais dos Estados Partes da América Latina e Caribe, realizada no Palácio do Itamaraty. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) representa o governo brasileiro na Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq).

“Queremos continuar a cooperar com a Opaq por meio da completa adoção dos quatro pilares da Convenção sobre Proibição de Armas Químicas: desarmamento, não proliferação, assistência e proteção, e cooperação internacional”, disse o coordenador-geral de Bens Sensíveis do MCTI, Sérgio Frazão. “Queremos dar ênfase à participação regional e internacional para a melhoria das capacidades nacionais, adoção de legislações adequadas, estruturas nacionais de controle e assistência nas emergências de armas química ou substâncias tóxicas”, acrescentou.

A reunião ocorreu na última quinta-feira (6), e se constituiu uma oportunidade para buscar, em conjunto, necessidades e prioridades da região para atingir compromissos dos Estados Partes da Opaq. “É de suma importância unir esforços para manter a América Latina e o Caribe livres de armas químicas e contribuir para os esforços internacionais que visam prevenir o ressurgimento dessas armas”, comentou o coordenador de Bens Sensíveis do MCTI.

Ele defendeu ainda a otimização dos mecanismos de cooperação regional, a promoção de programas de educação para conscientizar gerações futuras e a construção de pontes que permitam a cooperação internacional. Além disso, ressaltou a contribuição para a construção do ChemTech Center – centro tecnológico que proporcionará estrutura e equipamentos para o desenvolvimento científico, tecnológico e atividades de capacitação. “Isso resultará em considerável massa crítica com expertise capaz de exercer influência global para uso pacífico da química”, disse.

Cooperação

Já o representante da Opaq, René Betancourt, destacou o papel da organização na erradicação das armas químicas. “Nossos países são testemunhos dos efeitos das armas e das guerras, e é nossa responsabilidade garantir que armas de destruição em massa não sejam mais usadas. O objetivo dessa reunião é facilitar o intercâmbio de pontos de vista e informações quanto ao desenvolvimento das capacidades, progresso e avanços da implementação da Convenção a nível nacional”, explicou.

Também presente à reunião, o diretor do Departamento de Assuntos Estratégicos, de Defesa e de Desarmamento do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Marcelo Câmara, reiterou a importância, para o governo brasileiro, da eliminação de todas as armas de destruição em massa de forma transparente, verificada e irreversível. “Para o Brasil, a Convenção é instrumento de caráter modelar, que estabelece obrigações universais não discriminatórias e conta com mecanismos efetivos de verificação. A articulação de nossa região é importante para o fortalecimento da Convenção, para a aproximação dos nossos países, para iniciativas regionais e para a plena implementação.”

Fonte: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *