quarta-feira, junho 5Notícias que importam
Shadow

F-39 Gripen: Prontos para entrar em operação!

Na próxima segunda-feira (19), a Força Aérea Brasileira registrará uma nova e importante página em sua história, iniciando uma nova era e introduzindo um novo patamar tecnológico em suas capacidades de combate aéreo. Nossa FAB irá operar a mais moderna e capaz aeronave de combate da América Latina, falamos da incorporação dos quatro primeiros exemplares do F-39 Gripen E ao setor operativo, que serão apresentados  em cerimônia no 1º Grupo de Defesa Aérea (1ºGDA), na Base Aérea de Anápolis (GO), marcando o início do ciclo operacional com o “cocar” da FAB, fase em que estará desenvolvendo seu leque de capacidades operacionais (IOC – Initial Operation Capability).

 

blank

 

O novo vetor da FAB, virá a cobrir a lacuna deixada pela desativação dos Mirage 2000, tendo como missão primária interceptação de aeronaves que venham a invadir nosso espaço aéreo, função que desde a desativação dos Mirage 2000, vem sendo desempenhada pelos vetustos caças F-5EM, os quais gradativamente deverão ser aposentados após décadas de bons serviços no Brasil.

 

Nas palavras do Ten.Brig.Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, Comandante da FAB, “O início das operações é um marco, ao dotar a FAB de uma plataforma multimissão de última geração”.

 

blank

 

Após um longo processo de estudo, vários entraves desde a segunda metade dos anos 90, em 2014 foi batido o martelo, e a escolha foi pela aeronave sueca Gripen E/F, que após seu desenvolvimento e processo de produção, que demandaram 8 anos, o F-39E Gripen irá começar sua vida operacional com a FAB, representando mais do que uma nova aeronave, o Gripen representa um importante salto tecnológico, o qual devolve ao Brasil o protagonismo na arena aérea latino-americana, na qual passamos contar com a mais moderna e capaz aeronave em operação na região, superando com margem nossos vizinhos Chile e Venezuela, que operam aeronaves F-16 e Su-30MKV respectivamente.

 

blank

 

Diferente de seus antecessores, o Gripen trouxe consigo toda uma capacidade tecnológica ao Brasil, com um extenso pacote de transferência de tecnologia, envolvendo diversas empresas brasileiras em seu desenvolvimento e cadeia de fornecedores, o que garante ao país um importante nível de independência tecnológica e logística, nunca antes alcançado, com uma bem sucedida parceria entre a sueca SAAB e as brasileiras Embraer, AEL, Akaer e Atech, dentre outros participantes deste programa. O contrato resultou também na criação de uma planta industrial da SAAB no Brasil, a qual produz componentes estruturais do novo caça brasileiro.

blank

O primeiro lote do Gripen, envolve inicialmente 36 aeronaves, ao qual posteriormente foi adicionado mais 4 aeronaves (32 monoposto e 8 biposto) que deverão ser entregues até 2027. Destas 40 células, está prevista a produção de 19 exemplares no Brasil. Um segundo lote já esta sendo negociado junto a SAAB, porém, ainda não existem detalhes sobre a quantidade exata e o cronograma de entregas, sendo estimada a aquisição entre 26 e 30 aeronaves no segundo lote, estes sendo produzidos inteiramente no Brasil.

blank

Apesar do orçamento flutuante destinado a FAB, a mesma manteve os recursos necessários ao programa, o que resultou em cortes em outros programas estratégicos, como a redução na encomenda de aeronaves KC-390.

 

blank

 

“O Gripen vem a substituir vetores aéreos que já foram desativados ou que já ingressam na quinta década de operação pela Força Aérea, estando com seus respectivos processos de desativação planejados ou em curso”, disse o comandante da FAB em entrevista a um jornal brasileiro.

 

blank

 

O Brasil no momento opera 49 caças F-5M, além de 28 aeronaves A-1 AMX, ambos deverão ser substituídos gradativamente pelo F-39E Gripen, o qual por suas características pode desempenhar diversas missões, sendo uma aeronave multifuncional, o que simplifica muito a logística e custos operacionais, o que irá reduzir o número de aeronaves necessárias para cumprir as missões hoje desempenhadas pelos dois modelos, sendo estimado um número total entre 66 e 70 aeronaves F-39 para substituir a atual frota de 77 aeronaves F-5M e A-1.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *